Estado de Minas
 




 
 


 
Algumas considerações sobre crimes digitais

Erick Nilson Souto

Diretor da Falke Informática

Grandes ou pequenas empresas estão sempre sujeitas a crimes digitais, desde o simples prestador de serviços de mala direta, que têm seu cadastro apropriado indevidamente, até grandes empresas vítimas de funcionários demissionários que deixam vírus programados para danificar os sistemas algum tempo depois de sua saída, como em um dos maiores casos de sabotagem de computadores nos Estados Unidos.

Timothy Allen Lloyd, 37, um ex-administrador da rede de computadores da empresa Omega Engineering Corp., de Nova Jersey, que após trabalhar 11 anos para a companhia e ser despedido em julho de 96, "plantou" um programa-bomba que apagou todos os projetos e programas de produção de instrumentos de medida e controle industrial de alta tecnologia. Os danos, perda de contratos e de produtividade, da firma que atendia a Nasa, Marinha Americana e outras empresas privadas, causaram um prejuízo de US$ 10 milhões. Neste caso, um júri federal condenou o ex-empregado, que pagou fiança de US$ 25.000 e se encontra em prisão domiciliar aguardando sentença.

Diante destes perigos, como o empresário pode se proteger e garantir seus direitos e de sua empresa? A principal medida é, sem dúvida nenhuma, a prevenção. Manter sempre cópias dos arquivos mais importantes em computadores diferentes dos usados para produção, manter arquivos impressos de todas as transações importantes realizadas ao longo do dia, manter registro do acesso dos usuários aos sistemas e servidores, mas principalmente selecionar a dedo os responsáveis pela gestão dos sistemas e dados computacionais da organização.

Não permitir o monopólio da tecnologia por poucos profissionais, além de contar com profissionais de confiança nos postos chave do processamento de dados são premissas básicas para não se ter que recorrer à justiça.

Provas judiciais

Se a demanda judicial for inevitável, o caso fica muito mais difícil. Devido à natureza incorpórea dos dados e informações computacionais, a tarefa de provar que o agente praticou este ou aquele crime é muito complexa e até mesmo com a existência de provas esbarra-se na questão legal. Existem dois princípios no direito penal quanto à possibilidade de punição criminal.

A primeira delas é baseada no princípio da anterioridade da lei, "não há crime sem lei anterior que o defina nem pena sem prévia cominação legal". Logo, alguns atos supostamente ilegais executados no campo digital não seriam passíveis de condenação pela completa falta de legislação específica.

O segundo princípio prega que na falta de legislação específica o magistrado pode lançar mão da analogia para julgar casos de crimes ocorridos no universo dos bits e bytes, o que acaba indo contra o princípio anterior, da reserva legal, e também contra a doutrina, que adota a analogia na área penal apenas "in bonam partem", a favor do réu. Ora se a decisão deve ser a favor do réu, então, a melhor opção para este é que não exista o crime.

Diante de todos estes aspectos pertinentes aos crimes digitais é grande a importância do especialista em computação. Só ele pode agir sistemática e tecnicamente, tanto na prevenção quanto na comprovação do dano, uma vez que apenas um conjunto consistente de provas e indícios poderá levar o magistrado à convicção do crime digital.

 

A disputa pelo PC mais barato
Monitor gira a tela em 90 graus
Programa transfere e-mails para celular
No-break e software garantem segurança
Oportunidades.com
Debate discute falhas de segurança do voto eletrônico
Fabricantes de celular speram pela lei
Celular mundial está prestes a chegar
Bons programas ajudam a criar sites profissionais
Software - Empresas mineiras oferecem ASP
Acontece - O Fust, finalmente, é aprovado
Algumas considerações sobre crimes digitais
Novo videogame roda Linux
Câmera digital evita tremores
Supercomputador: é o mais rápido
DVD para PC faz conexão com a TV
Livros

 

Site Falke

Sistema Estaminas: TV Alterosa | Rádio Guarani | UAI | Fale conosco
Logo TN Internet
Copyright 1999. Todos os direitos reservados